sábado, outubro 29, 2016

David "Honeyboy" Edwards - Biografia

Segundo o New York Times, o músico era o último autêntico representante do idioma blues que se desenvolveu no Mississipi durante a segunda e terceira décadas do século XX. Nascido em Shaw, Mississipi, aprendeu a tocar sozinho, assistindo a performances de bluesmens como Tommy McClennan e Robert Petway. Aos 14 anos, já tocava ao lado de Big Joe Williams. Depois de vários anos ao lado desta lenda do blues, tocou, durante os anos 30 e 40 ao lado dos principais nomes do gênero da época, como Big Walter Horton, Yank Rachell e Robert Johnson, o maior nome do blues em todos os tempos.
Morreu a 29 de Agosto de 2011, aos 96 anos.[2] Honeyboy era um dos últimos remanescentes do estilo acústico chamado Delta blues, estilo que tocava desde que deixara a sua casa noMississipi, aos 14 anos.
Extraido a Wikipédia

segunda-feira, outubro 24, 2016

Jed McConkey - "The dawning bright light"


John McLaughlin - Biografia

John McLaughlin (Doncaster, 4 de janeiro de 1942) é um guitarrista de jazzbritânico. Tornou-se conhecido como integrante do grupo de Miles Davis nos fins dos anos 60, juntamente com outros bem conhecidos músicos comoChick Corea e Tony Williams[1]. Foi considerado o 68º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.[2] 
Antes de se mudar para os Estados Unidos, McLaughin gravou o álbum “Extrapolation” com Tony Oxley e John Shurman em 1969, um álbum bem demonstrativo da sua técnica, velocidade e precisão[1].
Mudou-se então para os EUA em 1969 para se juntar ao grupo “Lifetime” de Tony Williams. Seguidamente tocou com Miles Davis nos álbuns “In a silent way”, “Bitches brew” e “A tribute to Jack Johnson”. McLaughlin voltou para a banda de Davis por duas noites que foram gravadas e lançadas como parte do álbum ao vivo Live / Evil[1][3].
Em 1971 forma a Mahavishnu Orchestra, uma banda eléctrica bastante respeitada por todo o mundo, devido à sua complexa fusão do jazz com a música indiana e o jazz-rock[1].
Após a dissolução da banda, John trabalhou com o grupo de música acústica Shakti. Este grupo combinava a música indiana com elementos de jazz, podendo ser considerados como um dos pioneiros da chamada world music[1].
Juntamente com Carlos Santana, McLaughin foi um seguidor do guru Sri Chinmoy, e em 1973 ambos colaboraram num álbum de canções de devoção intitulado “Love, devotion, surrender” que incluía também gravações de músicas de John Coltraneentre as quais “A love supreme”[4].
No início da década de 80, juntou-se a Al Di Meola e Paco de Lucía e juntos gravaram “Friday night in San Francisco”. O trio, conhecido como “The guitar trio” reuniu-se de novo em 1996para a gravação de um álbum e consequente digressão mundial[5].

Mais recentemente realizou uma digressão com “Remember Shakti”, Além do original membro dos “Shakti” Zakir Hussain, este grupo contou ainda com a a participação de eminentes músicos indianos, como U. Srinivas, V. Selvaganesh, Shivkumar Sharma e Hariprased Chaurasia[6]
Extraído da Wikipédia

sábado, outubro 22, 2016

Pat Metheny - "Don't Know why"


"Music" é o nome do novo disco do baixista Ciro Cruz

"Music” é o título do novo álbum do baixista Ciro Cruz. O álbum é composto por temas cheios de histórias da vida do músico.  Encontra-se em formato digital em 242 países.

O tema "I Always Need to Dance" é uma releitura da sua própria música lançada em 1996 no Rio de Janeiro pela sua banda na altura  (MR Groove).

O álbum "Music" conta com a participação de  grandes músicos: Pedro Jóia, João Barradas, Vicky Marques, Cherry Garcia, Jeferson Negreiros, MC Zuca e Diogo Duque . Gravado por Makoto Yagyu, baixista da Banda Paus, também conta com o grande contributo do saxofonista Ricardo Branco. Filipe Chaves (bateria) e Nuno Tavares (teclados) são os músicos que trabalharam e gravaram todos os temas do álbum "Music". 



Os Embaixador com novo disco "Sombra"

Dois do EP “OS Dedos e os Anéis” também editado pela Farol Música em Fevereiro de 2015, a banda de rockEmbaixador está de regresso  com o álbum«Sombra».

“Sombra” foi gravado no AMP Studio do produtor Paulo Miranda (The Legendary Tiger Man, The Poppers, Old Jerusalem…).
O anterior EP «Os Dedos e os Anéis» gravado nos Blacksheep Studios  também com a produção de Paulo Miranda.
A evolução na composição e performance está bem patente neste disco, evidenciando o crescimento e entrosamento dosEmbaixador ao longo dos últimos anos e mostrando que estão “aqui ” para ficar!

Brando Fel com novo disco

"Malha Urbana" é o nome do CD.
Podem ouvir aqui um dos temas deste disco:

https://youtu.be/r1jY0uUajy0

Wild Apes no facebook

https://www.facebook.com/WildApesBand2013/

E música nova aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=V2FgISxan2g&ab_channel=WildApes

sexta-feira, outubro 21, 2016

Entrevista a Rodrigo Leão


RORDRIGO LEÃO – ENTREVISTA PARA O BLOG BMP

BMP - Olá Rodrigo, Antes de tudo obrigado por concederes esta entrevista. Quanto ao teu recente disco "Life is long", o blog BMP tem pouco a dizer. Está excelente como os outros discos anteriores.
Como aconteceu esta parceria na música com o Australiano Scott Mathew?
Iniciativa tua? Dele? Conversa casual?

R.L. - A nossa colaboração nasceu em 2011, quando eu estava a preparar o disco “A Montanha Mágica”. Apesar de ser um trabalho
quase todo instrumental, existiam 3 canções que eu pretendia que fossem cantadas. Uma delas viria a ser “Terrible Dawn” -
o nosso primeiro tema juntos. Na primavera de 2012, convidámos  Scott Matthew para participar em alguns concertos que tínhamos agendados para Portugal e Espanha e foi só aí que nos conhecemos pessoalmente pela primeira vez. Foi muito importante pois sentimos logo uma relação muito natural, não só entre nós como também entre todos os músicos e produtores do nosso grupo de trabalho. Ficámos logo com vontade de fazer outro tema juntos -“Incomplete” que viria a fazer parte da compilação “Songs” editada no final desse ano. Creio que só depois desta segunda colaboração é que começámos a pensar que podia fazer sentido trabalharmos juntos para um disco inteiro. Creio que a ideia partiu de mim, mas foi logo apoiada pelo Scott e por alguns músicos e amigos mais chegados.

BMP - Qual é a ideia que os músicos de outros países têm sobre a música Portuguesa? Que género de música da nossa ouvem mais?

R.L. - A música Portuguesa mais ouvida lá fora é sem dúvida o fado. Apesar de me parecer que cada vez mais as pessoas têm curiosidade em saber o que há para além do fado. Grupos como os “The Gift”, “Dead Combo”, “Danças Ocultas” têm despertado muito interesse um pouco por todo o mundo e isso deixa-me muito feliz.

BMP - Sentes saudades dos Sétima Legião e dos Madredeus?

R.L. - Claro que sim! São projectos aos quais sempre tive muito ligado e que de certa maneira ainda estão presentes em muitas das ideias que tento desenvolver.

BMP - Há poucos dias aqui na cidade do Porto tive uma conversa sobre musica com um amigo meu. Ele comentou que já tiveste uma banda Punk-Rock no início da carreira. É verdade? Que género de música ouves mais atualmente?

R.L. - Infelizmente não tive nenhuma banda Punk, apesar de admirar muito grupos como os “The Clash”, “Sex Pistols” ou “Wire”.
Existiram no início dos “Sétima Legião” alguns temas que tiveram alguma aproximação ao universo Punk, mas não chegaram
a ser editadas.

BMP - Normalmente os musicos/compositores quando acabam de gravar um disco, já estão à pensar no próximo. Já estás a pensar no nome ou composições do próximo disco?

R.L. - Estou a trabalhar novos temas mas ainda sem nenhuma direção precisa. Sou capaz de passar o próximo ano a trabalhar novas ideias e esperar que possam fazer parte de um novo disco.

BMP - Há músicas na tua " gaveta" que nunca foram editadas ou disponibilizadas na web?

R.L. - Há muitas ideias que vão ficando pelo caminho, mas poucas foram finalizadas. É muito frequente no meu processo de trabalho recorrer por vezes a ideias que ficaram para trás por não terem nenhum arranjo na altura e voltar a pegar-lhes
com outro entusiasmo.

BMP - O som dos discos de Rodrigo Leão são sempre de uma sonoridade soberba. Quando te avaria algum material: compras novo, mandas arranjar, ou vais a outro estúdio?

R.L. - Normalmente tenho mesmo de comprar um novo, pois as avarias por vezes são fatais.

BMP - Analógico, digital ou misturar os dois?

R.L. - Penso que a mistura dos dois é fundamental para o tipo de som que pretendo encontrar na minha música.

BMP - Se a Teresa Guilherme convidasse o Rodrigo Leão para um "Reality Show" dos dela, que resposta ela recebia?

R.L. - Nunca me passaria pela cabeça entrar em qualquer espécie de “Reality Show”

BMP - Thank you, thank you Rodrigo Leão pela tua visita ao BMP!!!

quarta-feira, outubro 19, 2016

Paul Frie - Adelita (Francisco Tárrega)


John Lee Hooker - Want AD Blues


Festival 6 Continentes 2017

A edição do Festival 6 Continentes vai acontecer em 200 cidades de todo o mundo.
Um evento que promove a cultura e a Língua Portuguesa.
Dias 6, 7 e 8 de Outubro de 2017 com concertos, exposições, workshops, e muito mais.

http://www.facebook.com/Festival6Continentes/?locale2=pt_PT

domingo, outubro 16, 2016

Tracy Chapman & Eric Clapton - "Give me one reason"




Suede - "Filmstar"


Francisco Merino Morales no Reverbnation

 
Francisco Merino Morales é um guitarrista e compositor Espanhol de Madrid
https://www.reverbnation.com/franciscomerinomorales

Candymoon - "Here I am"



Candymoon é o projecto sonhado e materializado por Célia Ramos, Pedro Leónidas e Alessio Vellotti.

Sem obedecer a fronteiras, a música veste influências do Folk, Blues e da música pop moderna.

Acompanhada pelo som maioritariamente acústico da banda, a voz passeia pelos versos com melodias entre o liricismo e o jazz, cantando histórias, algumas reais, outras caricatas ou sonhadoras...

"Storytales" | primeiro álbum da banda teve edição digital em 2015. 

Deolinda Kinzimba - "Primeira vez"


“Stranded Downtown” - The Twist Connection


Sara com primeiro single


Sara , é uma promissora cantora, nasceu a 10 de julho de 2000. Em 2016 grava nos Estúdios Produsom o seu 1º single Até o luar mentiu produzido pelo produtor Paulo Lima. O título do álbum, lançado de forma independente, já chama a atenção e a surpresa é comprovada pela voz suave e marcante que contagia, a sonoridade é moderna e leve. O single Até o luar mentiu já se encontra em constante execução nas rádios nacionais e disponível nas lojas digitais. 

https://www.youtube.com/watch?v=oWiaPL2x0Jw